quarta-feira, 27 de junho de 2012

Malouda será que vem?

    A semanas escuto e leio várias especulações sobre Malouda vir jogar no Brasil, a única certeza que há é a amizade entre Juninho Pernambucano e ele, a influêia do Reizinho é nítida, em entrevista ao ESPN Malouda revelou até que tem sim a vontade de jogar num clube brasileiro e estimulado pelo lateral esquerdo André Santos, afirmou sua preferência pelo time de Juninho Pernambucano – O Vasco.
     "É verdade. É um sonho, talvez em duas ou três temporadas, eu jogue um ano no Brasil", disse, começando a resposta em português e encerrando a declaração em inglês - sua mulher é brasileira, e ainda encerrou - "Eu gosto do clube do Pernambucano", afirmou, com certa timidez, em referência ao meia Juninho. 

video
    Mas vascaíno não se enganem, o desejo de jogar no vasco, e o nosso desejo de recebê-lo é verdadeiro, mas será que o clube terá dinheiro para fazer tal investimento - preço exigido pelo Chelsea para liberar o francês: três milhões de libras (R$ 9,7 milhões) - , afinal ele não irá fazer acordos, nem deixar de receber em dia para realizar desejos. É aí que começam as turbulências, vocês de um clube que tem o sonho de ser Vasco? Pois é, certos jornais informativos afirmam que Florent Malouda seria oferecido ao tricolor das Laranjeiras devido à proximidade com o camisa 20 – Deco.
    A Revista France Football, o site esportivo francês Foot01 e o jornal inglês The Sun afirma constantemente que Juninho neste período de renovação de contrato, conversou com Florent reforsando este desejo que ele possui de jogar no país de sua esposa.
   O Vasco nega todas as possibilidades, mas não custa nada sonhar, afinal não é impossível, quem sabe não será uma surpresa super agradável!

Maay Aveiro
Deu um apagão!
   Para convencer no estilo líder e reconquistar a confiança,, o Vasco necessitava vencer o Cruzeiro, que estava na cola, mas nada ocorreu como o esperado!
  Os gols do Cruzeiro foram marcados por Montillo, Wellington Paulista e Anselmo Ramon. Rodolfo descontou para os cariocas. A Raposa, com a vitória, foi a 14 pontos na competição, um a mais do que o Vasco, agora vice-líder.
Rômulo, Nilton, Fellipe Bastos, Leandro Guerreiro, William Magrão, Charles. As formações das duas equipes no meio-campo, com um congestionamento de atletas mais propensos à marcação do que à criação, pareciam avisar que seria uma partida truncada, daquelas de espaço reduzido e tempo de ação encurtado – daquelas que dependem mais de erros do que de acertos para ter seu placar movimentado.
Era um duelo de líderes, e os treinadores preferiram ser cuidadosos. Não por acaso, levou uma eternidade para que o primeiro tempo começasse a oferecer chances de gol de lado a lado. O Cruzeiro centralizava suas jogadas em Montillo, o desafogo para Fabinho e Wellington Paulista. O Vasco tentava escapulir com Éder Luis, sempre arisco pelos lados do campo. Mas os sistemas defensivos levavam a melhor.
Como consequência, chutes de longe viraram alternativa – mas sem sucesso. Chance viva, daquelas com pinta de gol, só foi nascer aos 35 minutos. Eder Luis disparou pela ponta esquerda e serviu bem para Alecsandro. O centroavante tinha duas possibilidades: fazer a jogada por conta própria ou abrir na direita, onde aparecia Diego Souza. Preferiu a primeira, e se deu mal. Foi desarmado.
Pouco depois, sairia o gol do Cruzeiro, em um lance que veio à luz graças a um erro do Vasco. Fernando Prass, na reposição de bola, forçou o passe para Eder Luis. Ele teve que migrar até a linha lateral para evitar que fosse uma jogada perdida. Conseguiu, mas o que era ruim ficou pior. Charles roubou, avançou, tabelou com Montillo e acionou Wellington Paulista. O chute dele, curiosamente, foi barrado por Fabinho, em posição de impedimento. Mas aí a bola sobrou para Montillo, que emendou conclusão precisa para colocar a Raposa na frente.
Os minutos finais da primeira metade do jogo foram de pressão vascaína. Alecsandro chegou um piscar de olhos atrasado em cruzamento de Felipe. A bola passeou repetidas vezes pela área celestre, sempre ameaçadora. Mas o Vasco não conseguiu buscar o empate antes do intervalo. 
FONTE: GLOBO ESPORTE

domingo, 17 de junho de 2012

 Melhor um ponto do que nada!
 Que expectativa estávamos para esse jogo, sabemos que sempre que tem jogo contra o Palmeiras é sempre um prazer ir para Sampa. Mas amigos, amigos jogo à parte, vamos que bem claro, o jogo promete ! E para deixar isso bem claro, o Palmeiras já começou assustando ainda bem que - furou!
    Mas o Vasco não deixou barato, foi logo pra cima e o jogo ficou corrido e gostoso de assistir,um lá e cá intenso, o vasco apresentando um time que trabalha muito bem em grupo e um palmeiras que trabalha muito bem os contra-ataques. Até o momento sem muita emoção, o equilíbrio do jogo chega a ser algo que incomoda aos aos torcedores, já são 24 minutos e só o palmeiras dá sustos expressivos. 
    Falta para o Vasco e o primeiro cartão amarelo do jogo, e todos a espera do Juninho será que agora vai? Que nada! A bola foi praticamente isolada ... Acho que esse primeiro tempo vai terminar 0 x 0.
   Que Sustoooo ! Em bela jogada de Fágner para Éder Luís, Alecsandro sofre pênalti, mas Vuadem não marca, mesmo assim ele consegue dar o passe para Rômulo que lançou a bomba, mas Bruno espalmou! No contra-ataque o palmeiras também assustou, mas Fágner conseguiu impedir, fazendo o jogo ficar mais animado.
   Retorno do intervalo e as expectativas são grandes, pelo menos para o lado vascaíno, a esperança e a vontade de manter os 100% e garantir os três pontos que serão fundamentais. E com esse pensamento o vasco voltou mais ativo e com fome de gol, atacou o palmeiras de forma de líder.
   PQP! Que gol feio heein! Mazinho encara Deedé e Fágner e F. Prass aceita o gol mais feio do campeonato. Bom pra abrir os olhos da equipe, afinal o vasco está muito aceitável. Em seguida mais um pênalti não marcado, a mão na bola mais tudo bem Vuadem, vamos conseguir de um jeito ou de outro.
    E para a felicidade geral Carlos Alberto entrou no lugar do Diego, que saiu vaiado pela torcida alviverde. Juninho até que tentou abrir o placar, mas está difícil, cada vez mais fica complicado hein acreditar, afinal já tem 37 minutos, falta perto da pequena área, não deu amarelo para Henrique porque seria expulso, mais Juninho foi lá e fez e incendiou a torcida cruzmaltina.
 Feltri entrou no lugar do Felipe e esperamos mais mobilidade ao jogo, agora sim eu volto a acreditar nos 100%.  E novamente Carlos Alberto sofre falta, e quem vai bateer? Ele mesmo o reizinho. Mas a bola explodiu na barreira e retornou ao jogo, mas o jogo continuou perigoso e novamente falta para o Vasco mas dessa vez foi no Nilton, Alecsandro chegou até marcar, mas estava impedido e o gol foi bem anulado, mas seria ótimo um erro agora.
    Mas o Vasco não desistiu, Barcos até tentou cavar um pênalti, mas Vuadem não caiu nessa  e continuou ajudando ao nosso desejo da vitória. Mas infelizmente não deu, o jogo terminou mesmo 1 x 1, mas o que importa foi que conquistamos 1 ponto, e continuamos líder isso é maravilhoso para um jogo fora de casa, mas a saga continua!
Maay Aveiro

sábado, 16 de junho de 2012

Será que o sonho virará realidade ?
    Hoje eu vim falar sobre algo que nem todos os vascaínos sabem, e isso é comum afinal tem tantas pessoas  por aí que vivem se gabando de tê-lo e nós esquecemos de dizer que também temos.

     Eu venho falar do Mundial de 1957, que conquistamos na França em cima do Real Madrid. Você sabia disso a uns 3 anos atrás? Poucos sabiam. Acreditem, uma vez fui chamada de louca, por dizer que o vasco é bicampeão mundial, só porque a FIFA não reconhece, mas engraçado  é que ninguém reconhece o Hexa mas a mulambada é sem a taça, e nós que temos a taça, os escritos da época e o reconhecimento Francês e Madrileño que somos ? E agora fiquei muito orgulhosa em saber que o presidente Roberto Dinamite se dispôs a pedir a CBF a validar o título, que maravilha de notícia!

- Entenda um um pouco do Torneiro Internacional de Paris:
    O Torneio Internacional de Paris foi criado em 1957, em comemoração aos 25 anos do Racing Club Paris. Na verdade, quem estava de aniversário era o departamento de futebol e não o clube, pois o Racing havia sido criado no ano de 1882. 
  O torneio também teria sido criado na época pelos franceses, com o intuito de organizar um grande campeonato internacional anual que envolvesse equipes do futebol europeu e sul-americano. A competição teve status de Torneio Intercontinental de Clubes de Futebol nas suas três primeiras edições, nos anos de 1957, 1958 e 1959, e houve grande repercussão na imprensa esportiva da Europa naquela ocasião. 
    Há vários documentos e matérias publicadas que foram publicadas em revistas e jornais franceses, que falam sobre a importância do Torneio de Paris de 1957, devido ao alto nível técnico das equipes, que contou inclusive com a participação do Real Madrid, que era considerada a melhor equipe de futebol do mundo, e que veio a alcançar o Tricampeonato Europeu naquele mesmo ano. 
    Para muitos jornalistas, aquela equipe do Real Madrid que disputou o Torneio de Paris no ano de 1957, é considerada até hoje a melhor equipe do Real Madrid de todos os tempos. 
   O torneio de Paris foi disputado até 1993, não sendo realizado entre os anos de 1967-1972, em 1974 e em 1990.   Era disputado por 4 equipes, durante dois dias, sendo todas as partidas realizadas no Estádio Parc des Princes. Ocorria no final da temporada francesa entre 1957 e 1976, e no início da temporada francesa de 1977 a 1993. De 1957 a 1966, o Racing Club de France foi o organizador do torneio; o Paris Football Club organizou a competição do ano de 1973 e o Paris Saint-Germain entre 1975-93.
    A primeira edição do torneio, em 1957, contou com a equipe anfitriã (Racing CF), além do alemão Rot-Weiß Essen (campeão alemão de 55), do espanhol Real Madrid (tricampeão europeu, na época) e do brasileiro Vasco da Gama(campeão carioca de 56 considerado naquele momento a melhor equipe da América do Sul). 
      Na final, que contou com um público aproximado de 40 mil espectadores, e com a presença do xá e da imperatriz do Irã no Parc des Princes, o Vasco terminou o primeiro tempo vencendo por 2 a 1, de virada, com gols de Valter e Vavá. Aos 8 minutos da etapa complementar, Mateos empatou para o Real Madrid, após passe do francês Raymond Kopa. O Vasco voltou a marcar aos 21 minutos, com Livinho, e aos 39, novamente com Valter. O Real Madrid descontou com Kopa, aos 44 do segundo tempo, e o Vasco foi campeão fazendo 4 a 3 na lendária equipe do argentino Alfredo Di Stéfano.

    Agora temos que torcer para que a FIFA reconheça o que conquistamos e possamos cada vez orgulharmos mais do que o nosso Club fez por nós ! 
Maay Aveiro

sexta-feira, 15 de junho de 2012

É reaal Maracanã ou pesadelo do Vazião? 
     Hoje acordei meio que no susto, celular berrando e um sono enorme, mas esta notícia prontamente me levantou da cama. Quando falamos em novidades, imaginamos algo  100% maravilhoso, entretanto esta tem 50% de ruim.
     São Januário será ampliado para 45 mil a capacidade, entretanto ficará 3 anos fechado. Agora entendem a gravidade do assunto? Imaginem São Januário fechado, jogos do Vasco no Vazião, Moça Bonita ... Tanto faz, não será mais a mesma coisa! É como se acordássemos um dia um encanamento tivesse quebrado e tivesse inundado a casa inteira e você tivesse que morar com um parente chato? Traduzindo um pesadelo ! 

     O fechamento será julho de 2013, a intenção inicial é a utilização do Maracanã, mas acredito que não será todos os jogos e outra, será que o Maraca realmente estará pronto. Isso tudo ocorrerá porque será realizado os jogos de Rugby em São Janú, mas não será de tudo ruim, pois lembre-se a Conmebol exige a capacidade mínima de 40 mil para a final da Libertadores,  então será ótimo!
     As vantagens é que tudo se manterá do jeito que sempre foi, Dinamite enfatizou que a história e a estrutura do vasco sempre foi muito importante e enfatiza a força dos torcedores, que foram determinados o suficiente para construir algo que aos olhos dos adversário seria impossível para a classe proletarizada.
    Bom também é saber que a prefeitura com o nosso querido vascaíno Eduardo Paes vai realizar o alargamento das ruas no entorno de São Janú, isso sim será ótimo, com a realização de uma pavimentação decente. O estádio virará uma arena, a desvantagem é que com essa ampliação e modernização, a ganância aumentará e logo, logo terá show, eventos de outro nível sem ser o esportivo. Eu espero que não percamos a essência .... 
Maay Aveiro

terça-feira, 12 de junho de 2012

O Jogo dos Golaços ! 

        Diante da escalação não tive como negar, Cristóvão é looouco!! Colocar Felipe inicialmente como lateral esquerdo, será que ele aguentará os 90 minutos ? Porque não colocá-lo como meia-esquerda? Tudo bem .. O jogo começou e agora veremos o que vai acontecer, perceber como o Mito está!

          Jogo começa pegado, o Bahia faz valer o seu mando de campo, o Vasco até busca encontrar espaços pra encaixar nem que fosse um contra ataque, mas a marcação forte não permite a evolução da jogada.
         Que isso Titi ? Quando o Vasco consegue evoluir, Titi da uma entrada forte em Diego Souza, mas leva apenas cartão amarelo, então a responsabilidade da falta está nos pés de Juninho! E como, com ele  é sem chance, Lomba só pode ver a bola entrar no ângulo direito ... Goooool, que pintura do Reei !
         Mesmo com a vantagem no placar o Bahia continuou sufocando, fazendo a marcação parecer inofensiva, até Nilton entrou na dança. As faltas vieram aparecendo com mais frequência, e o Vsco teve que abrir os espaços para trabalhar a bola, sem correr riscos de se lesionar.
        O Bahia está jogando mais que o Vasco, cada vez o sufoco é mais frequente o meio de campo está congestionado, o jeito óbvio seria jogar pelas laterais, mas parece que Allan e Felipe desaparecem do jogo.E como já era previsto o Bahia conseguia chegar mais vezes a pequena área cruzmaltina, mas os gols perdidos eram absurdos.

        Na traaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaave ... Dieego Souza deixou  Alecsandro de cara pro gol, mas não deu a trave impediu o gol, em seguida Bastos mandou uma pedrada de fora da área, mas Lomba espalmou ... Acreditem uma hora vai acontecer.
         A zaga está completamente perdida, os buracos apresentados nem parece a zaga compacta que o Vasco vinha apresentando nos campeonatos disputados. Sufoco Geraaaal ! Cada vez a situação da zaga parece está pior, só está dando eles. 
          A muito não se via um jogo como esse tão aberto, tão pegado o Bahia faz valer a pressão de estar em casa e o Vasco mesmo vencendo não se acomodou com o gol.
       E Diego Souza, voltou a ser Diego Showza ... Em meio a tabelinha com Alecsandro, Diego partiu em direção ao gol e deixou a tranquilidade dominar a explosão e com uma cavadinha em cima de Lomba determinou o segundo gol, ou melhor, segundo golaço do jogo.
        E o Lomba hoje não vai aguentar, Juninho meteu um bolão de fora da área, mas Lomba espalmou para  fora, e no escanteio quase fez um olímpico, mas Lomba colocou pra fora novamente.
         Depois de linda jogada do Allan, Bastos até tentou da marca do pênalti, mas Lomba estava lá, Nilton também foi parado pelas mãos de Lomba, é difícil admitir, mas Marcelo Lomba evolui bastante depois que saiu da mulambada.
       O Bahia se desesperou, a zaga já não se apresenta tão eficiente, em meio as jogadas de velocidade. E assim encerrou-se o primeiro tempo.
       Primeiro lance importante do jogo, foi a dupla defesa de F. Prass, que impediu o gol do Bahia, que está diminuindo os espaços. Neste mesmo lance não deu mais para Rodolfo que saiu sentiu a coxa e como era muito esperado, o retorno de Dedé foi realizado.
        O Vasco voltou a ampliar os espaços, deixando F. Prass tendo que trabalhar tudo que não necessitou no primeiro tempo, e mais duas belas defesas realizadas. E nova alteração no Vasco, Diego sai para C.Alberto sobre muitas vaias baianas entrar.
        Pow  Alecsandro, depois de uma jogada bem trabalhada por Juninho, Allan driblou e passou pelo marcador, com o desvio no primeiro pau, Alecsandro não consegue encostar na bola, que seria de letra.
          O jogo continuou a mesma coisa, o Bahia tentando atacar, até mesmo gerando um certo sufoco, mas nada que fosse convertido em já que os jogadores não tinham a tranquilidade para converter em gol. 
       Carlos Alberto até marcou,  mas estava impedido por meio corpo, mas não fazia falta já que aos 39 o jogo estava definido - ao meu ver - o Bahia não esboçava a vontade de virar e sim apenas de descontar com um gol.
         Poois é o Bahia fez o gol em uma falha feeia, que depois da confusão de valeu ou não valeu pois o juiz disse que havia acabado, mas como não havia o sinal do apito, Junior - jogador do Bahia - conseguiu convencer a validação do jogo.
           Mas está tranquilo, ficou engasgado esse gol, mas o importante foi os 3 pontos fora de casa, o 100% de aproveitamento ... E Assim nós vamos seguindo #RUMOAOPENTA! 
Maay Aveiro
Voltou a convencer ... 

    Beem primeiramente, foi excepcional estar em São Janú novamente! Não sabia como avaliar a partida, por isso demorei para escrever novamente, peço desculpas ... Acho que o Vasco dominou desde cedo, sem ver os números eu diria que ao total foram uns 80% de posse de bola. Mas o triste foi ver os torcedores acusar, apontar a cada erro mínimo, mesmo depois dos jogadores terem mostrado que superaram a eliminação da libertadores.
    O Vasco estava precisando de descanso e estes dez dias foram fundamentais para estabilizar o corpo e a mente do clube por inteiro, acertar dentro e fora de campo - assunto ao qual prefiro não comentar - mas o resultado foi o que esperávamos, vitória com certo equilíbrio, entretanto ainda há muito o que acertar. O Náutico ainda está abalado pela eliminação da Copa do Brasil, por isso não deu muito trabalho, com a marcação posicionada corretamente foi difícil encontrar espaços para complicar o jogo.
    Apesar de dominar o jogo, o Vasco não encontrou nenhuma facilidade diante da marcação do time pernambucano, as oportunidades foram surgindo, e o Vasco conseguiu abriu o placar mesmo assim o time pernambucano conseguiu descontar, mas nada que abalasse a vitória cruzmaltina.
Maay Aveiro